Popgospel na Mídia   1 comment

Só queria deixar bem claro: não tenho nada contra Diante do Trono, esse post 
não tem nenhuma menção contra a banda, o grupo, ou as pessoas que o compõem.
A liberdade de expressão da banda, e de interpretação as Escrituras não é 
objeto desse post, nem mesmo a qualidade do hairsylist da Ana Paula Valadão 
é questionado.
Se você se interessou pelo post por ser da Família Diante do Trono, eu te 
clamo pra sair desse blog. Se continuar a ler, que seja por sua conta e risco. 
Mas não venha me amarrar, depois.

Depois desse fim-de-semana, coisas mudaram. É, negão, Diante do Trono foi pro Domingão do Faustão, e, segundo a Família Diante do Trono (sim, existe uma FamíliaDT. E não só isso, existem os AmigosDT) pregaram para todo o Brasil e todo o mundo. Ignoraremos neste post os clamores para que as pessoas vissem o Domingão na TV, porque na web não contava IBOPE. Sério, me abstenho de comentários, e para quem até hoje não sabe como é feita a contagem, vai a explicação na UOL.

Não, você que não tem o Peoplemeter, não faz diferença nenhuma pro IBOPE. Éééé, pensou no CulturaDay? Tenso.

Mas então. Diante do Trono no Faustão. É o cenário gospel entrando no cotidiano das pessoas, no dia-a-dia familiar, dos brasileiros. Hm, nem tanto. Existem inúmeros fatores que até para o mais ingênuo dos crentes, influenciaram a ida do grupo.

1- Diante do Trono assinou contrato com a Sony (via @kamelando)
Dessa eu realmente não sabia – mas é claro que a Sony viu potencial eclesiástico financeiro no ramo gospel, com a multiplicação de microgravadoras na cena. Não se engane, Diante do Trono ser procurada pela Sony significa potencial para o grupo. E esse potencial de público se afasta dos princípios basilares da música cristocêntrica. Não estou dizendo que DT está se afastando de Deus e que eles se renderam ao deus Mamon, não. Estou dizendo que eles vão sofrer muito mais pressão pra fazer música que vende do que antes. Porque, no meio gospel, por bem ou mal, eles eram os queridinhos de todo mundo. Agora, não. Eles são uma banda iniciante, como qualquer outra, e vão ter que vender. São prazos, metas, deadlines, e muita, muita turnê.

2- Sucesso de vendas
A banda já lançou 13 CDs Diante do Trono, todos ao vivo, sendo que 9 contaram com suas versões em DVD, além de mais 10 CDs, sendo um todo em espanhol e outro todo em inglês. Ainda conta com 8 CDs infantis.

Dos 32 CDs lançados, um vendeu mais de 2 milhões de cópias, 3 venderam mais de 1 milhão e 4 venderam mais de 500 mil cópias. Só em 25% dos CDs lançados há um mínimo de 7 milhões de cópias vendidas, sem se contar os DVDs, ingressos de shows, produtos licenciados, e os singles.

Fora todas as vendas em grupo, Diante do Trono lançou vários nomes em carreira solo durante todo o tempo da banda, de Nívea Soares a André Valadão, que são, até hoje, ícones popgospel. Sim, existe essa classificação.

3- Sucesso de público
Conforme dito, durante o programa do Faustão, pela Ana Paula, na gravação do DVD em Barretos, um mês antes da festa do peão, juntou-se 80 mil pessoas para o show. Mas esse não é nem de longe o recorde de público da banda, que, em 2004, juntou 1 milhão e 200 mil pessoas para a gravação do CD/DVD Esperança , em Salvador.

4- A Globo não quer Cristo. Quer o dinheiro e público que ela pode conseguir com quem diz ser servo dEle.
Mas o que importa é que seja pregada a Palavra dEle. Não, não e não. O mais importante da pregação não é o resultado dela, é o procedimento. Não que haja um manual de pregação que seja 100% eficaz. Mas que o mais importante é pregar a palavra lado a lado, na convivência, no relacionamento. Falar que é bom que se pregue a Deus pela TV para alcançar o máximo de pessoas possível nada mais é que desculpa de crente preguiçoso que não quer sair de casa. Ok?

E voltar a pregação da palavra de Deus para interesses financeiros, mesmo que de terceiros, dá problema. Dá chabu, como se diz. Teve um cara que tentou fazer isso, há muito tempo atrás, e… bom, pra ele não deu muito certo. Pra Deus, tanto faz, tanto fez.

A primeira vez que alguém se animou a pregar pras naç ões, e tentou dar uma acelerada no plano, Jesus segurou. Dessa vez, foi fisicamente. E, depois de levar uma coça de Jesus, essa pessoa ficou ressentida.

Era o encarregado da bolsa do dinheiro dos apóstolos: «tendo a bolsa, tirava o que nela se lançava» (João 12, 6). Teria demonstrado exteriormente a sua fraqueza na cena da unção com óleo perfumado em Betânia, onde testemunhou que estava mais apegado ao dinheiro do que propriamente aos gestos concretos com que Jesus demonstrava a sua missão (João 12, 1-6).

O que Judas almejava, pelas suas primeiras ações, era juntar o máximo de dinheiro possível, e tomar Jerusalém, estabelecendo o Reino de Cristo, físico, aqui na terra. Deu no que deu.

E esse é, invariavelmente, o resultado de quem tenta conciliar os princípios de Deus com a ajudinha externa.

5- A Record está em descrença com o meio evangélico
O maior público da Rede Record é formado por aqueles cristãos evangélicos neopentecostais, sendo que, incrivelmente, boa parte deles é da Igreja Universal. Até então, boa parte dos outros evangélicos denominacionais, compactuavam com a Record, por considerá-la como a enviada de Deus, dentre as TVs abertas, um espaço de santificação em meio à perdição da carnalidade – por mais que suas novelas sempre demonstrassem o contrário.

Até que veio o Silas Malafaia, desbigodado, e chutou o pau da barraca. Independente da sua motivação, essa briguinha entre o Malafaia e Macedo provocou um esvaziamento e frustração enorme dentro do público da rede Record, que acreditava estar… sei lá. Fazendo algo de bom, assistindo a programação da Tvzinha lá.

De qualquer modo, os evangélicos mais carentes, estavam perdidos, desacorçoados, sem ter uma TV ungida para assistir – até porque a Rede Super é só via parabólica ou cabo.
Então, eis que das trevas ressurge… a Globo. A que foi muitas vezes crucificada, maldita, parece estar dando espaço à Palavra de Deus. É faraó abrindo as portas do Egito para que fujam os hebreus, é a Palavra de Deus tendo reconhecimento na mídia, e todas as nações vão se converter ao Reino de Deus.

Presta atenção: quando diz, na Bíblia, que todo joelho se dobrará, que toda língua confessará e todo o resto que você decorou só porque Diante do Trono canta, ali diz que isso vai ocorrer após o fim dos tempos. Como o céu não se abriu, a terra não tremeu e os anjos de Deus não desceram nem subiram (como você já também aprendeu com a Tia Aninha), isso não aconteceu. Ok?

O que a Globo fez foi só a melhor jogada de marketing de todos os tempos: deixou Diante do Trono feliz, deixou crentes que sempre a detestaram felizes, e, além disso, atingiram os 23% da população brasileira mais arredios às empresas seculares.

 

No próximo post, algumas considerações acerca da participação da banda, etcetcetc.

Anúncios

Publicado 10/25/2010 por Abigobaldo em Opinião

Etiquetado com , ,

Uma resposta para “Popgospel na Mídia

Assinar os comentários com RSS.

  1. O Mesmo vale para o Pe. Fábio de Mello…
    tsc tsc

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: